Caranha

Peixe de escamas, possui corpo forte e alongado, cabeça e boca grandes dotado de lábios grossos e poderosa dentição.  A nadadeira dorsal é espinhosa e a caudal pouco furcada. A coloração é muito variável, pode ser pardo esverdeado, com manchas escuras indistintas, róseo escuro ou pardo avermelhado, dependendo da profundidade e habitat em que o peixe está. As nadadeiras dorsal e caudal são cinza escuro, as peitorais, ventrais e anal são claras ou róseas. Alcança cerca de 1,5m de comprimento e mais de 75 kg.

caranha3.bmp

Lutjanus cyanopterus

Peixe muito comum ao longo da costa brasileira, encontrado em áreas rochosas e de recifes. Pode entrar nos estuários até as áreas de água doce. Durante o dia costuma ficar entocado, saindo à noite para se alimentar. Alimenta-se de peixes, crustáceos, moluscos e equinodermos. Os peixes jovens formam grandes cardumes, que, às vezes se misturam a cardumes de outros peixes. Espécie muito voraz. A carne apesar de boa para o consumo, pode, em regiões coralíneas, apresentar toxinas.

caranha2.jpg

A Caranha/Cubera snapper(Lutjanus cyanopterus) é muitas vezes confundida com a espécie Lutjanus griseus também conhecida como Carainha/gry snapper(foto acima).

A espécie Lutjanus griseus é bem menor e mais comum, alcançando 65cm e cerca de 8kg.

Encontro Inesperado:

É normal para quem pesca em regiões de mangues e canais utilizar linhas de bitola no máximo 0,50 mm, que são mais que suficientes para trabalhar peixes como o robalo, a pescada e o linguado, habitantes naturais desses cursos de água. Porém, em um lance mais caprichado num poço fundo e pedregoso, pode-se engatar uma Caranha de bom tamanho. Só com muita sorte irá conseguir cansá-la e retirá-la da água, as chances da linha se romper são enormes, tanto devido á dentição que cortaria a linha facilmente, por sua força, ou ainda tendo esse peixe o péssimo costume de após fisgado, buscar proteção nas pedras, que em rios de beira de mar são cobertas de ostras, cracas e mariscos, verdadeiras navalhas, terrivelmente cortantes. É indispensável portanto, o uso de material adequado para sua pesca.   

Material: Equipamento de ação média, média/pesada e pesada; linhas de 17 a 50 lb; anzóis de nº 2/0 a 10/0.

O uso de empates é essencial, por causa dos dentes fortes e afiados. Também é aconselhável o uso de arranque, porque essa espécie vive nas proximidades de estruturas cortantes, como pedras e corais.

Recorde Brasileiro de pesca submarina:

Pescador sub. Rimandas J. Krisciunas.

Peso (kg): 71,500

Local de captura: Ilha do toque toque – SP

Data: 1978

Recorde de pesca esportiva:

55,11 kg/121 lb 8 oz para a caranha Lutjanus cyanopterus
7,71 kg/17 lb 0 oz  para a carainha Lutjanus griseus

Deixe seu comentário