Piraíba

Peixe de couro da família Pimelodidae, a Piraíba (Brachyplatystoma filamentosum), é a maior espécie de peixe de couro da América do Sul e uma das maiores do mundo.

piraiba06.jpg

Brachyplatystoma filamentosum

O corpo é roliço e mais alongado. A cabeça, grande, ocupa cerca de 1/4 do tamanho do comprimento. A boca é ampla, com maxila ligeiramente maior que a mandíbula. Os barbilhões maxilares são longos, possui nadadeira caudal furcada e sua coloração é em geral cinza escuro, chumbo ou levemente azulado no dorso e branca no ventre. Atinge mais de 2,8 metros e 200 quilos de peso. Indivíduos com até 60 quilos são conhecidos como filhote.

piraiba03.jpg

Ocorre nas Bacias amazônica e Araguaia-Tocantins, onde são encontrados em lugares profundos, poços ou remansos, saídas de corredeiras e confluência de grandes rios. Não é um peixe muito procurado pelos pescadores comerciais, pois muitos acreditam que sua carne faz mal e transmite doenças. Além disso, as vísceras e músculos do corpo costumam ficar repletos de parasitas.

piraiba05.jpg

Apesar do incrível porte atingido pelo indivíduo adulto, a maioria dos exemplares fisgados atualmente não chega aos 10 kg de peso, porém o tamanho mínimo para captura desse espécime é 100 cm.

Durante várias épocas do ano, é possível observar as piraíbas no canal dos rios, bem na superfície da água, mas não são capturadas. Na Amazônia, os caboclos costumam pescar esse peixe na confluência dos rios. Amarram na canoa uma corda bem forte e anzol grande, iscado com um peixe de médio porte e ficam aguardando a chegada do peixe, que, quando fisgado, pode rebocar a canoa por vários quilômetros. Dependendo da força e tamanho do peixe é necessário cortar a corda para a canoa não virar.

piraiba45.jpg  piraiba8920.jpg

Peixe piscívoro, a isca ao ser utilizada em sua pesca é a natural de peixes, pesando de 1 a 6kg, como por exemplo a matrinxã, curimbatá, piau ou a piranha.

piraiba01.jpg

O equipamento empregado é do tipo ultrapesado, por causa do tamanho desse peixe. Um indivíduo de porte médio (cerca de 100 a 150kg) pode levar várias horas brigando até se cansar.

piraiba02.jpg

Dicas de pesca: É importante saber os locais tradicionais que a Piraíba freqüenta. Para isso, é preciso contratar um guia local que conheça bem a região e o peixe.

Recorde: 116,4kg/256lb 9 oz

Tamanho mínimo para captura: 100 cm.

5 Responses to “Piraíba”

  1. A Piraíba (B. filamentosum) possui três nomes populares que são respectivos ao seu peso em ordem crescente, filhote, piraíba e piratinga. Os dois últimos tem origem nas línguas indígenas: pira: peixe e íba: ruim e também tinga: branco pois, quando o peixe atinge idade mais avançada, fica com o couro esbranquiçado, perdendo o cinza-chumbo característico. É importante lembrar que somente a pesca esportiva é permitida (capturar e soltar). Nos Estados de MT, GO e TO, sua pesca é proibida por Portaria do IBAMA e a multa para quem for flagrado transportando o peixe ou partes, é altíssima, portanto, para o bem de seus filhos, devolvam o peixe aos rios! Kennedy/Biólogo/ICMBio/(62)8543-1043. Abçs.

  2. William lobo on Maio 30th, 2010 at 22:23

    é um animal magnífico, e muito saboroso.

  3. Felipe Gouveia on agosto 20th, 2010 at 21:19

    Magnífico peixe, com exemplares excelentes, sem citar sua força brutal!

  4. valdemar bento pereira on agosto 21st, 2010 at 14:03

    E bom uma boa fiscalização em manaus pois a pesca de filhotes de piraiba , são exibidos em feiras da panair e sem nenhuma proibição, tambem sou contra eeese tipo de pescaria afinal nossos filhos e netos terão que ver esse animal magnifico em nossos rios.

  5. Olá! Em janeiro de 2009 deixei um comentário acima sobre algumas características do Brachyplatystoma filamentosum. O que me levou a escrever novamente foi a preocupação imposta por mais de 500 usinas que estão sendo “empurradas” para a população brasileira. Primeiro ponto: a energia será fornecida para multinacionais mineradoras e para o agro-negócio, pouco para a população. Segundo: os peixes deverão desaparecer, gradativamente, uma vez que lagos artificiais possuem redução da ictiofauna em níveis maiores de 70%, ou seja, de 100 espécies, no máximo 30 sobreviverão (espécies sedentárias). Isto a Ciência já comprovou. Os grandes bagres, como a Piraíba, são os primeiros a se extinguir. Se faz necessário uma maior discussão com profissionais de diferentes áreas para esclarecimentos que a sociedade brasileira precisa ter. Há muitos rios que não devem ser represados, o Araguaia é um deles. Mas isto é um outro assunto. Até…

Deixe seu comentário