Sea Bad Boys

 Tubarões: Comportamento de ataque.

Infelizmente, somente podemos estudar e conhecer o comportamento de ataque dos tubarões através de relatos de casos reais onde a vítima sobreviveu ou havia a presença de um observador no local. Mesmo assim, na maioria das vezes as observações e relatos só podem ser empregados de forma genérica, pois dificilmente a vítima ou o observador identificam ou fornecem informações precisas para a identificação da espécie agressora. Em muitos casos, os tubarões agressores não são vistos pela vítima antes do ataque. Em outros, porém, um comportamento agressivo, anterior ao ataque, tem sido observado pela vítima ou por um observador. Esse comportamento agressivo pode ser composto por diversas atitudes que demostram sua intenção de ataque. Normalmente, o tubarão costuma nadar para frente e para trás antes de dar uma “passada” rápida ou fazer uma investida à vítima. Nesse momento, é comum ele apresentar as peitorais apontadas para baixo e a metade posterior do corpo curvada para cima, e empreender um nado firme com todo o corpo, onde sua cabeça e cauda se agitam em um mesmo padrão. Pequenas batidas ou colisões violentas no corpo da vítima já foram reportadas. Toda essa atividade pode ser denominada comportamento combativo.

seabadboys.jpg

Apresentando ou não um comportamento combativo, o ataque de um tubarão é algo bastante difícil de se prever. Por isso, torna-se praticamente impossível determinar o momento exato da aproximação de ataque, ou ainda, se o mesmo realmente se dará. Dois tipos de comportamento já relatados ilustram bem essa imprevisibilidade comportamental diante das mais diversas situações: tubarões já foram observados atacando e mordendo uma só pessoa no meio de um grupo de banhistas e, ainda, atraídos pelo sangue da vítima, continuando a atacar apenas aquela pessoa e mais ninguém, nem mesmo aqueles que tentavam resgatá-la. Em outra ocasião, alguns tubarões foram observados nadando, desinteressadamente, próximo de mergulhadores. Chegavam bastante perto para “dar uma olhada” e logo depois nadavam para bem longe. Apesar de a maioria dos ataques de tubarão acontecer sem nenhuma provocação, algo em torno de 86%, um número significante deles se dá através de encontros provocados, como arpoar ou mexer com um tubarão, segurar sua cauda, oferecer comida, bloquear sua passagem ou qualquer outra forma de molestação. Não seria demais dizer que ações desse tipo devem ser evitadas, pois mesmo aquelas espécies que parecem inofensivas são bastante fortes e podem se mover com extrema rapidez, o menor dos cações é capaz de infligir sérios danos ao homem quando provocado e um grupo de pequenos cações pode causar mais estragos do que um único espécime grande. É importante ainda mencionar que os ataques não provocados acontecem quase sempre quando a vítima parece estar desatenta, pensando em outras coisas. Por isso, é essencial lembrar-se de que há certas atitudes e circunstâncias que encorajam o ataque de um tubarão.

Texto de Marcelo Szpilman é Biólogo Marinho, Diretor do Instituto Ecológico Aqualung.

One Response to “Sea Bad Boys”

  1. eu amei

Deixe seu comentário